search

Comespi: Live de Dia Mundial do Meio Ambiente foi encerrada com pedido de “bis” e abordou assuntos importantes para o setor metal mecânico

10 de junho de 2020


A transmissão remota ocorreu ontem (09) no instagram do Simespi e contou com a interação do público interessado e de especialistas da área

O bate-papo descontraído e cheio de informação entre a sanitarista ambiental, sócia da empresa DSK Consultoria Ambiental e parceira do Simespi, Tatiana Koroiva e o advogado especialista em Direito do Ambiente, Direito dos Resíduos e Infraestrutura, Mestre em Direito Ambiental e Consultor do Banco Mundial, Fabrício Soler, foi um sucesso!

 

A live fez alusão ao Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado no último dia 05 de junho, e é uma realização do Comespi (Conselho da Mulher Executiva do Simespi).

 

Para a ocasião foi abordado o tema Resíduos Sólidos Industriais: Cenários, Desafios e Oportunidades dentro do aspecto das indústrias metal-mecânicas de material elétrico e fundição.

 

Vigente no estado de São Paulo desde a década de 1970, a regulação que permeia os resíduos sólidos foi o gancho para falar sobre a Política Nacional (lei 12.305/10) que em agosto completa 10 anos.

 

“O que podemos dizer é que no caso de um resíduo disposto de forma inadequada, conseguimos ter um DNA e, para isso, o empresário precisa contratar prestadores de serviços qualificados. Agora, uma defasagem no que diz respeito a Política Nacional é a questão dos lixões, que ainda três mil municípios não se adequaram”, explica Soler.

 

Já Tatiana, destaca a questão da rastreabilidade dos resíduos, que é a reconstrução da trajetória de um produto em sua cadeia por meio de dados, quando o assunto é a Gestão de Resíduos uma obrigatoriedade da Política Nacional.

 

Vista por mais de 60 pessoas, o público que acompanhou a live comentou bastante a respeito do conceito de economia circular.

 

A economia circular visa a redução, a reutilização, a recuperação e a reciclagem de resíduos gerados com objetivo de aumentar a eficiência econômica e ambiental das empresas.

 

Para isso, Fabrício destacou que o grande desafio da economia circular é realizar de forma eficiente a segregação, o armazenamento, o transporte e o destino correto desses resíduos gerados.

 

Outro ponto importante da transmissão foi a discussão sobre Logística Reversa no setor metal-mecânico. “Temos a obrigatoriedade de realizar esse processo com alguns produtos, por exemplo: pneus, óleo-lubrificantes e agrotóxicos. Agora, recentemente, foi aprovado para medicamentos, embalagens e materiais eletroeletrônicos. Precisamos ter paciência para que aconteça a gradualidade dessa implantação e a sua viabilidade técnica econômica”, aponta Soler.

 

“Precisamos ver o que está acontecendo com a Logística Reversa em outros setores e, nos inspirar, para construirmos a nossa”, conclui Tatiana fechando o assunto.

 

A conversa seguiu abordando termos como sucata metálica e simbiose industrial. Além disso, os moderadores fizeram questão de responder as perguntas de todos os participantes.

 

Fechando a live com agradecimentos de ambas as partes, o público pediu “bis” e aproveitou para parabenizar os convidados pelo excelente conteúdo desenvolvido nos 60 minutos de transmissão.